Estudo Esclesiastes 7 – Comparadas a Sabedoria e a Loucura

Eclesiastes 7.8

No capítulo 7 do livro de Eclesiastes, o autor apresenta uma série de reflexões sobre a vida e a sabedoria. Ele destaca a importância da boa fama e do dia da morte sobre o dia do nascimento, enfatizando a transitoriedade da vida humana. O autor também observa que a mágoa e a tristeza podem ter um impacto positivo no coração das pessoas, levando à reflexão e ao crescimento espiritual.

O autor adverte contra o excesso de justiça e sabedoria, destacando que não se deve ser demasiadamente justo ou sábio, pois isso pode levar à destruição. Da mesma forma, a moderação é recomendada em relação à perversidade e à loucura. O temor a Deus é visto como o caminho para evitar os extremos.

A sabedoria é valorizada e comparada ao dinheiro, pois traz benefícios e proteção. O autor também exorta a observar as obras de Deus e reconhecer que, por vezes, a adversidade faz parte do plano divino, e o homem não pode compreender completamente os desígnios de Deus.

O capítulo também aborda a complexidade das relações humanas, especialmente a avaliação das mulheres enganosas. O autor reconhece que encontrar a verdadeira sabedoria é uma busca desafiadora, mas ressalta a importância de fugir daqueles que se envolvem em enganos e artimanhas.

No final, o autor conclui que, embora tenha buscado a sabedoria, ele ainda não encontrou todas as respostas. Ele reconhece a tendência humana para a perversidade, mas também enfatiza a retidão que Deus originalmente criou no homem. Em resumo, o capítulo 7 de Eclesiastes oferece uma série de reflexões sobre a vida, a sabedoria, a moderação e a complexidade das relações humanas, tudo sob a perspectiva da busca por um entendimento mais profundo da vontade divina.

———

Eclesiastes 7

Comparadas a sabedoria e a loucura

Melhor é a boa fama do que o unguento precioso, e o dia da morte, melhor do que o dia do nascimento.

Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, pois naquela se vê o fim de todos os homens; e os vivos que o tomem em consideração.

Melhor é a mágoa do que o riso, porque com a tristeza do rosto se faz melhor o coração.

O coração dos sábios está na casa do luto, mas o dos insensatos, na casa da alegria.

Melhor é ouvir a repreensão do sábio do que ouvir a canção do insensato.

Pois, qual o crepitar dos espinhos debaixo de uma panela, tal é a risada do insensato; também isto é vaidade.

Verdadeiramente, a opressão faz endoidecer até o sábio, e o suborno corrompe o coração.

Melhor é o fim das coisas do que o seu princípio; melhor é o paciente do que o arrogante.

Não te apresses em irar-te, porque a ira se abriga no íntimo dos insensatos.

10 Jamais digas: Por que foram os dias passados melhores do que estes? Pois não é sábio perguntar assim.

11 Boa é a sabedoria, havendo herança, e de proveito, para os que veem o sol.

12 A sabedoria protege como protege o dinheiro; mas o proveito da sabedoria é que ela dá vida ao seu possuidor.

13 Atenta para as obras de Deus, pois quem poderá endireitar o que ele torceu?

14 No dia da prosperidade, goza do bem; mas, no dia da adversidade, considera em que Deus fez tanto este como aquele, para que o homem nada descubra do que há de vir depois dele.

A moderação em tudo é boa

15 Tudo isto vi nos dias da minha vaidade: há justo que perece na sua justiça, e há perverso que prolonga os seus dias na sua perversidade.

16 Não sejas demasiadamente justo, nem exageradamente sábio; por que te destruirias a ti mesmo?

17 Não sejas demasiadamente perverso, nem sejas louco; por que morrerias fora do teu tempo?

18 Bom é que retenhas isto e também daquilo não retires a mão; pois quem teme a Deus de tudo isto sai ileso.

19 A sabedoria fortalece ao sábio, mais do que dez poderosos que haja na cidade.

20 Não há homem justo sobre a terra que faça o bem e que não peque.

21 Não apliques o coração a todas as palavras que se dizem, para que não venhas a ouvir o teu servo a amaldiçoar-te,

22 pois tu sabes que muitas vezes tu mesmo tens amaldiçoado a outros.

Avaliação da mulher enganosa

23 Tudo isto experimentei pela sabedoria; e disse: tornar-me-ei sábio, mas a sabedoria estava longe de mim.

24 O que está longe e mui profundo, quem o achará?

25 Apliquei-me a conhecer, e a investigar, e a buscar a sabedoria e meu juízo de tudo, e a conhecer que a perversidade é insensatez e a insensatez, loucura.

26 Achei coisa mais amarga do que a morte: a mulher cujo coração são redes e laços e cujas mãos são grilhões; quem for bom diante de Deus fugirá dela, mas o pecador virá a ser seu prisioneiro.

27 Eis o que achei, diz o Pregador, conferindo uma coisa com outra, para a respeito delas formar o meu juízo,

28 juízo que ainda procuro e não o achei: entre mil homens achei um como esperava, mas entre tantas mulheres não achei nem sequer uma.

29 Eis o que tão somente achei: que Deus fez o homem reto, mas ele se meteu em muitas astúcias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Eclesiastes 3.1

Estudo Esclesiastes 3 – Tempo para Tudo

O capítulo 3 do livro de Eclesiastes oferece uma reflexão profunda sobre o tempo e os propósitos da vida humana. O autor começa destacando que há um tempo determinado para todas as coisas debaixo do céu, incluindo nascimento e morte, plantio e colheita, cura e ferimento, pranto e riso, entre

Mateus 5.3

Estudo Mateus 5 – O Sermão do Monte

O capítulo 5 do livro de Mateus descreve o famoso Sermão da Montanha, onde Jesus ministra ensinamentos fundamentais aos seus discípulos. O cenário inicial é o monte, onde Ele se assenta para compartilhar suas palavras com as multidões. As bem-aventuranças são proferidas, destacando características e atitudes que são valorizadas no

Salmos 19.1

Estudo Salmos 19 – A excelência da criação e da palavra de Deus

No capítulo 19 de Salmos, o salmista busca exemplificar como o poder, a grandeza e a graça de Deus estão representados nos céus, nas escrituras e em nós. Inicialmente, os céus, que simbolizam o mundo físico em que vivemos, representam a glória de Deus (19.1 a 19.6). E para nos

Mateus 7.7

Estudo Mateus 7 – O Poder da Oração

Mateus 7 contém uma parte significativa do Sermão da Montanha, onde Jesus oferece instruções valiosas sobre a conduta e a ética cristã. Ele destaca a proibição do juízo temerário, alertando para a necessidade de evitar julgamentos precipitados, enfatizando a importância de reconhecer nossas próprias falhas antes de apontar as dos

Temas

  » Alegria

  » Amizade

  » Amor

  » Fé e Motivação

  » Felicitações

  » Liderança

  » Pais e Filhos

  » Paz

  » Provérbios

  » Reflexão

  » Salmos

Receba inspiração no seu Email

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial