Estudo Marcos 1 – A Vocação de Discípulos

Marcos 1.17

O capítulo 1 do livro de Marcos começa com a apresentação do início do evangelho de Jesus Cristo, o Filho de Deus. Em seguida, o texto menciona João Batista, que foi profetizado por Isaías como aquele que prepararia o caminho para o Senhor. João Batista pregou no deserto, chamando as pessoas ao arrependimento e realizando batismos para a remissão de pecados.

Muitas pessoas da Judeia e Jerusalém se aproximaram dele, confessaram seus pecados e foram batizadas por ele no rio Jordão. João Batista vestia-se de forma simples, com roupas feitas de pelos de camelo, e sua dieta consistia de gafanhotos e mel silvestre.

João também testemunhou sobre a vinda de alguém mais poderoso do que ele, que batizaria as pessoas com o Espírito Santo. Jesus veio da Galileia para ser batizado por João no rio Jordão, e, após o batismo, os céus se abriram, o Espírito desceu sobre Jesus como uma pomba, e uma voz celestial declarou que Jesus era o Filho amado de Deus.

Depois do batismo, o Espírito conduziu Jesus para o deserto, onde Ele foi tentado por Satanás por quarenta dias e permaneceu com as feras, sendo servido pelos anjos. Após João Batista ser preso, Jesus começou a pregar o evangelho de Deus na Galileia, proclamando que o tempo estava cumprido e o reino de Deus estava próximo, exortando as pessoas ao arrependimento e à fé no evangelho.

Enquanto caminhava à beira do mar da Galileia, Jesus chamou Simão e André, que eram pescadores, para serem Seus discípulos. Eles imediatamente deixaram suas redes e O seguiram. Logo após, Jesus chamou Tiago e João, filhos de Zebedeu, que também O seguiram.

Em Cafarnaum, Jesus ensinou na sinagoga e curou um homem possesso de um espírito imundo. A fama de Jesus se espalhou rapidamente pela Galileia devido a Seus ensinamentos autoritários e Suas curas milagrosas.

Após sair da sinagoga, Jesus foi para a casa de Simão e André, onde curou a sogra de Simão, que estava com febre. À tarde, muitos doentes e endemoninhados foram trazidos a Jesus, e Ele curou muitos deles e expulsou demônios. Jesus frequentemente se retirava para lugares desertos para orar, mas as pessoas O buscavam diligentemente.

Jesus disse aos discípulos que eles deveriam ir a outras cidades e povoações para pregar o evangelho. Ele continuou a percorrer a Galileia, pregando nas sinagogas e expulsando demônios.

Em um encontro com um leproso, Jesus demonstrou compaixão, curando-o e instruindo-o a mostrar-se ao sacerdote para cumprir os ritos de purificação.

No entanto, o homem desobedeceu e espalhou a notícia, tornando difícil para Jesus entrar publicamente nas cidades devido à multidão que O seguia de toda parte.

———

Marcos 1

Princípio do evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus.

João Batista

Conforme está escrito na profecia de Isaías:

Eis aí envio diante da tua face o meu mensageiro, o qual preparará o teu caminho;

voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas;

apareceu João Batista no deserto, pregando batismo de arrependimento para remissão de pecados.

Saíam a ter com ele toda a província da Judeia e todos os habitantes de Jerusalém; e, confessando os seus pecados, eram batizados por ele no rio Jordão.

As vestes de João eram feitas de pelos de camelo; ele trazia um cinto de couro e se alimentava de gafanhotos e mel silvestre.

João dá testemunho de Jesus

E pregava, dizendo: Após mim vem aquele que é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de, curvando-me, desatar-lhe as correias das sandálias.

Eu vos tenho batizado com água; ele, porém, vos batizará com o Espírito Santo.

O batismo de Jesus

Naqueles dias, veio Jesus de Nazaré da Galileia e por João foi batizado no rio Jordão.

10 Logo ao sair da água, viu os céus rasgarem-se e o Espírito descendo como pomba sobre ele.

11 Então, foi ouvida uma voz dos céus: Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo.

A tentação de Jesus

12 E logo o Espírito o impeliu para o deserto,

13 onde permaneceu quarenta dias, sendo tentado por Satanás; estava com as feras, mas os anjos o serviam.

Jesus volta para a Galileia

14 Depois de João ter sido preso, foi Jesus para a Galileia, pregando o evangelho de Deus,

15 dizendo: O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho.

A Vocação de Discípulos

16 Caminhando junto ao mar da Galileia, viu os irmãos Simão e André, que lançavam a rede ao mar, porque eram pescadores.

17 Disse-lhes Jesus: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens.

18 Então, eles deixaram imediatamente as redes e o seguiram.

19 Pouco mais adiante, viu Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, que estavam no barco consertando as redes.

20 E logo os chamou. Deixando eles no barco a seu pai Zebedeu com os empregados, seguiram após Jesus.

A cura de um endemoninhado em Cafarnaum

21 Depois, entraram em Cafarnaum, e, logo no sábado, foi ele ensinar na sinagoga.

22 Maravilhavam-se da sua doutrina, porque os ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas.

23 Não tardou que aparecesse na sinagoga um homem possesso de espírito imundo, o qual bradou:

24 Que temos nós contigo, Jesus Nazareno? Vieste para perder-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus!

25 Mas Jesus o repreendeu, dizendo: Cala-te e sai desse homem.

26 Então, o espírito imundo, agitando-o violentamente e bradando em alta voz, saiu dele.

27 Todos se admiraram, a ponto de perguntarem entre si: Que vem a ser isto? Uma nova doutrina! Com autoridade ele ordena aos espíritos imundos, e eles lhe obedecem!

28 Então, correu célere a fama de Jesus em todas as direções, por toda a circunvizinhança da Galileia.

A cura da sogra de Pedro

29 E, saindo eles da sinagoga, foram, com Tiago e João, diretamente para a casa de Simão e André.

30 A sogra de Simão achava-se acamada, com febre; e logo lhe falaram a respeito dela.

31 Então, aproximando-se, tomou-a pela mão; e a febre a deixou, passando ela a servi-los.

Muitas outras curas

32 À tarde, ao cair do sol, trouxeram a Jesus todos os enfermos e endemoninhados.

33 Toda a cidade estava reunida à porta.

34 E ele curou muitos doentes de toda sorte de enfermidades; também expeliu muitos demônios, não lhes permitindo que falassem, porque sabiam quem ele era.

Jesus se retira para orar

35 Tendo-se levantado alta madrugada, saiu, foi para um lugar deserto e ali orava.

36 Procuravam-no diligentemente Simão e os que com ele estavam.

37 Tendo-o encontrado, lhe disseram: Todos te buscam.

38 Jesus, porém, lhes disse: Vamos a outros lugares, às povoações vizinhas, a fim de que eu pregue também ali, pois para isso é que eu vim.

39 Então, foi por toda a Galileia, pregando nas sinagogas deles e expelindo os demônios.

A cura de um leproso

40 Aproximou-se dele um leproso rogando-lhe, de joelhos: Se quiseres, podes purificar-me.

41 Jesus, profundamente compadecido, estendeu a mão, tocou-o e disse-lhe: Quero, fica limpo!

42 No mesmo instante, lhe desapareceu a lepra, e ficou limpo.

43 Fazendo-lhe, então, veemente advertência, logo o despediu

44 e lhe disse: Olha, não digas nada a ninguém; mas vai, mostra-te ao sacerdote e oferece pela tua purificação o que Moisés determinou, para servir de testemunho ao povo.

45 Mas, tendo ele saído, entrou a propalar muitas coisas e a divulgar a notícia, a ponto de não mais poder Jesus entrar publicamente em qualquer cidade, mas permanecia fora, em lugares ermos; e de toda parte vinham ter com ele.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Mateus 21.13

Estudo Mateus 21 – A Casa de Oração

No capítulo 21 do livro de Mateus, encontramos várias narrativas importantes na vida de Jesus durante sua estada em Jerusalém. Inicia-se com a entrada triunfal de Jesus na cidade, onde Ele envia dois discípulos para buscar uma jumenta e um jumentinho, cumprindo uma profecia messiânica ao entrar humildemente montado em

Apocalipse 9.6

Estudo Apocalipse 9 – A Consolação dos Mártires

Neste capítulo, João, o autor do livro, descreve a abertura do quinto e do sexto selo. Quando o quinto selo é aberto, João vê as almas daqueles que foram martirizados por causa de sua fé clamando a Deus por justiça. Eles são consolados com roupas brancas e lhes é dito

Salmos 130.2

Estudo Salmos 130 – Clamor Fervoroso ao Senhor

O Salmo 130 é um salmo de profunda busca por perdão e misericórdia. Começa com um clamor fervoroso ao Senhor. O salmista reconhece a profundidade de seu pecado e clama por misericórdia. Ele expressa sua necessidade desesperada de ser ouvido por Deus e de receber o perdão divino. Também expressa confiança

Temas

  » Alegria

  » Amizade

  » Amor

  » Fé e Motivação

  » Felicitações

  » Liderança

  » Pais e Filhos

  » Paz

  » Provérbios

  » Reflexão

  » Salmos

Receba inspiração no seu Email

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial