Estudo Provérbios 18 – Sabedoria Prática para a Vida Cotidiana

Provérbios 18.10

Provérbios 18 é um capítulo da Bíblia que oferece uma riqueza de sabedoria prática para a vida cotidiana. O capítulo começa destacando a importância de buscar conhecimento e entendimento, indicando que aquele que isola-se em seus próprios desejos acaba rejeitando a sabedoria. Em contraste, aquele que busca a sabedoria encontra o verdadeiro tesouro.

Além disso, o capítulo aborda a importância das palavras e da comunicação adequada. Ele ressalta que as palavras têm poder, podendo edificar ou destruir, e que aqueles que são cuidadosos com suas palavras colhem benefícios. A honestidade, a prudência e a sabedoria na fala são encorajadas.

Provérbios 18 também enfatiza a importância de buscar a Deus em todas as circunstâncias. Ele ressalta que o nome do Senhor é uma torre forte, oferecendo refúgio e proteção. Aqueles que confiam em Deus encontram segurança e fortaleza em meio aos desafios da vida.

Além disso, o capítulo adverte contra a precipitação e a insensatez. Encoraja a ponderar antes de agir, a buscar conselhos sábios e a ter humildade para reconhecer a própria ignorância. Isso nos lembra que a sabedoria não é adquirida de uma só vez, mas é um processo contínuo de aprendizado e crescimento.

Em suma, Provérbios 18 oferece lições valiosas sobre a importância do conhecimento, das palavras, da confiança em Deus e da busca constante pela sabedoria. Esses princípios podem orientar-nos em nossa vida diária, ajudando-nos a tomar decisões sábias, a construir relacionamentos saudáveis e a encontrar a verdadeira fonte de segurança e paz em Deus.

———

Provérbios 18

O solitário busca o seu próprio interesse

e insurge-se contra a verdadeira sabedoria.

O insensato não tem prazer no entendimento,

senão em externar o seu interior.

Vindo a perversidade, vem também o desprezo;

e, com a ignomínia, a vergonha.

Águas profundas são as palavras da boca do homem,

e a fonte da sabedoria, ribeiros transbordantes.

Não é bom ser parcial com o perverso,

para torcer o direito contra os justos.

Os lábios do insensato entram na contenda,

e por açoites brada a sua boca.

A boca do insensato é a sua própria destruição,

e os seus lábios, um laço para a sua alma.

As palavras do maldizente são doces bocados

que descem para o mais interior do ventre.

Quem é negligente na sua obra

já é irmão do desperdiçador.

10 Torre forte é o nome do Senhor,

à qual o justo se acolhe e está seguro.

11 Os bens do rico lhe são cidade forte

e, segundo imagina, uma alta muralha.

12 Antes da ruína, gaba-se o coração do homem,

e diante da honra vai a humildade.

13 Responder antes de ouvir

é estultícia e vergonha.

14 O espírito firme sustém o homem na sua doença,

mas o espírito abatido, quem o pode suportar?

15 O coração do sábio adquire o conhecimento,

e o ouvido dos sábios procura o saber.

16 O presente que o homem faz alarga-lhe o caminho

e leva-o perante os grandes.

17 O que começa o pleito parece justo,

até que vem o outro e o examina.

18 Pelo lançar da sorte, cessam os pleitos,

e se decide a causa entre os poderosos.

19 O irmão ofendido resiste mais que uma fortaleza;

suas contendas são ferrolhos de um castelo.

20 Do fruto da boca o coração se farta,

do que produzem os lábios se satisfaz.

21 A morte e a vida estão no poder da língua;

o que bem a utiliza come do seu fruto.

22 O que acha uma esposa acha o bem

e alcançou a benevolência do Senhor.

23 O pobre fala com súplicas,

porém o rico responde com durezas.

24 O homem que tem muitos amigos sai perdendo;

mas há amigo mais chegado do que um irmão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Salmos 26.2

Estudo Salmos 26 – Apelo do justo

Neste capítulo, o salmista ora a Deus para que o revele tudo o que não está de acordo com a Sua vontade e com o Seu caráter. O desejo de Davi é fazer todo o possível para ser aceito e ter comunhão com Deus, andando com retidão aqui na terra

Salmos 58.11

Estudo Salmos 58 – A esperança do justo

O Salmo 58 é um poema lírico que aborda a justiça divina e a punição dos ímpios. O salmista começa clamando aos juízes para julgar de maneira justa e punir os ímpios que não têm temor a Deus. Ele descreve a maldade dos ímpios como algo que começa desde o

Salmos 41.1

Estudo Salmos 41 – Proteção e Cuidado de Deus

O Salmo 41 é um poema que fala sobre a proteção e o cuidado de Deus por aqueles que buscam ajudar os necessitados e que clamam por sua misericórdia. O salmo começa com uma bênção para aqueles que cuidam dos necessitados, dizendo que o Senhor os livrará no dia da

Temas

Receba inspiração no seu Email

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial