Estudo Salmos 39 – A Vaidade da Vida

Salmos 39.1

No Salmos 39, o salmista expressa sua preocupação com a fugacidade da vida e a certeza da morte. Ele reconhece que a vida humana é frágil e passageira, e que a riqueza e a honra são passageiras e não podem evitar a morte.

O salmista também reflete sobre a natureza humana e a sua tendência a pecar. Ele reconhece que ele mesmo é propenso a falhar e a cometer erros, e pede perdão a Deus.

Em meio a essas reflexões, o salmista clama por ajuda divina. Ele pede a Deus que lhe dê sabedoria e discernimento para viver de acordo com os seus planos. Ele também reconhece que Deus é o único que pode dar sentido à sua vida e que só Deus pode lhe dar paz e felicidade.

O salmista pede a Deus que o livre da sua ansiedade e medo, e que o ajude a viver com gratidão e esperança. Ele reconhece que a vida é curta e que é importante vivê-la da melhor maneira possível, agradecendo a Deus por cada dia.

Finalmente, o salmista expressa sua confiança na proteção divina. Ele afirma que Deus é a sua rocha e refúgio, e que Deus o protegerá e lhe dará força em todos os momentos. Ele confia que Deus é o seu Deus para sempre e que Deus nunca o abandonará.

———

Salmos 39

1 Disse comigo mesmo: guardarei os meus caminhos, para não pecar com a língua; porei mordaça à minha boca, enquanto estiver na minha presença o ímpio.

2 Emudeci em silêncio, calei acerca do bem, e a minha dor se agravou.

3 Esbraseou-se-me no peito o coração; enquanto eu meditava, ateou-se o fogo; então, disse eu com a própria língua:

4 Dá-me a conhecer, Senhor , o meu fim e qual a soma dos meus dias, para que eu reconheça a minha fragilidade.

5 Deste aos meus dias o comprimento de alguns palmos; à tua presença, o prazo da minha vida é nada. Na verdade, todo homem, por mais firme que esteja, é pura vaidade.

6 Com efeito, passa o homem como uma sombra; em vão se inquieta; amontoa tesouros e não sabe quem os levará.

7 E eu, Senhor, que espero? Tu és a minha esperança.

8 Livra-me de todas as minhas iniquidades; não me faças o opróbrio do insensato.

9 Emudeço, não abro os lábios porque tu fizeste isso.

10 Tira de sobre mim o teu flagelo; pelo golpe de tua mão, estou consumido.

11 Quando castigas o homem com repreensões, por causa da iniquidade, destróis nele, como traça, o que tem de precioso. Com efeito, todo homem é pura vaidade.

12 Ouve, Senhor , a minha oração, escuta-me quando grito por socorro; não te emudeças à vista de minhas lágrimas, porque sou forasteiro à tua presença, peregrino como todos os meus pais o foram.

13 Desvia de mim o olhar, para que eu tome alento, antes que eu passe e deixe de existir.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Salmos 20.7

Salmos 20.7

Foto: Pexels; Reflexão inspirada por: Bíblia Shedd.

Provérbios 23:17

Estudo Provérbios 23 – A Importância de Exercer Discernimento na Vida

Esse capítulo enfatiza a importância de exercer discernimento na vida, especialmente em relação aos hábitos alimentares e aos excessos na busca por riquezas materiais. O texto adverte sobre o perigo de se deixar levar pela cobiça e luxúria, destacando que tais desejos podem levar à autodestruição e ao afastamento dos

Até que ponto podemos mudar? Reflexão de Provérbios 4.23

Muitas vezes queremos nos tornar pessoas diferentes do que nós somos, apenas para satisfazer exigências do mundo. E, com isso, podemos, de fato, perder nossa essência. Ou seja, deixar de ser quem nós somos de verdade para nos adequar aos padrões externos que a aceitação e o sucesso do mundo,

Temas

  » Alegria

  » Amizade

  » Amor

  » Fé e Motivação

  » Felicitações

  » Liderança

  » Pais e Filhos

  » Paz

  » Provérbios

  » Reflexão

  » Salmos

Receba inspiração no seu Email

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial