Estudo Salmos 109 – O Socorro de Deus

Salmos 109.26

O Salmo 109 é um dos salmos imprecatórios presentes no livro de Salmos, que contém orações de maldição contra os inimigos. Este salmo em particular começa com o salmista clamando a Deus para que o ajude contra seus inimigos, que o têm caluniado e atacado com violência. O salmista pede a Deus que esses inimigos sejam julgados e condenados, e que sua maldade seja retribuída com desgraças e desventuras.

A segunda metade do salmo é uma série de maldições que o salmista invoca contra seus inimigos. Ele pede que a maldição de Deus os persiga, que eles sejam condenados pelos seus próprios pecados e que suas orações sejam inúteis. O salmista também pede que a maldição se estenda para além dos inimigos diretos, afetando suas famílias e filhos. O salmo termina com o salmista pedindo a Deus que o ajude, que o salve dos seus inimigos e que o abençoe abundantemente.

Embora seja um salmo difícil de se compreender, o Salmo 109 pode ser interpretado como uma oração de justiça e vingança, em que o salmista clama a Deus por ajuda e por uma resposta às suas aflições. No entanto, muitos estudiosos argumentam que os salmos imprecatórios são incompatíveis com a mensagem do amor e da misericórdia de Deus, que é uma mensagem central do Antigo Testamento. Alguns argumentam que esses salmos devem ser entendidos como expressões legítimas de raiva e dor, mas que não devem ser tomados como modelos de oração para os cristãos hoje.

Em última análise, a interpretação do Salmo 109 depende do contexto cultural, histórico e teológico em que é lido. Embora seja um salmo difícil e controverso, sua presença na Bíblia nos lembra da complexidade da experiência humana e da necessidade de expressar nossas emoções e nossas orações de forma honesta diante de Deus.

———

Salmos 109

1 Ó Deus do meu louvor, não te cales!

2 Pois contra mim se desataram lábios maldosos e fraudulentos; com mentirosa língua falam contra mim.

3 Cercam-me com palavras odiosas e sem causa me fazem guerra.

4 Em paga do meu amor, me hostilizam; eu, porém, oro.

5 Pagaram-me o bem com o mal; o amor, com ódio.

6 Suscita contra ele um ímpio, e à sua direita esteja um acusador.

7 Quando o julgarem, seja condenado; e, tida como pecado, a sua oração.

8 Os seus dias sejam poucos, e tome outro o seu encargo.

9 Fiquem órfãos os seus filhos, e viúva, a sua esposa.

10 Andem errantes os seus filhos e mendiguem; e sejam expulsos das ruínas de suas casas.

11 De tudo o que tem, lance mão o usurário; do fruto do seu trabalho, esbulhem-no os estranhos.

12 Ninguém tenha misericórdia dele, nem haja quem se compadeça dos seus órfãos.

13 Desapareça a sua posteridade, e na seguinte geração se extinga o seu nome.

14 Na lembrança do Senhor , viva a iniquidade de seus pais, e não se apague o pecado de sua mãe.

15 Permaneçam ante os olhos do Senhor , para que faça desaparecer da terra a memória deles.

16 Porquanto não se lembrou de usar de misericórdia, mas perseguiu o aflito e o necessitado, como também o quebrantado de coração, para os entregar à morte.

17 Amou a maldição; ela o apanhe; não quis a bênção; aparte-se dele.

18 Vestiu-se de maldição como de uma túnica: penetre, como água, no seu interior e nos seus ossos, como azeite.

19 Seja-lhe como a roupa que o cobre e como o cinto com que sempre se cinge.

20 Tal seja, da parte do Senhor , o galardão dos meus contrários e dos que falam mal contra a minha alma.

21 Mas tu, Senhor Deus, age por mim, por amor do teu nome; livra-me, porque é grande a tua misericórdia.

22 Porque estou aflito e necessitado e, dentro de mim, sinto ferido o coração.

23 Vou passando, como a sombra que declina; sou atirado para longe, como um gafanhoto.

24 De tanto jejuar, os joelhos me vacilam, e de magreza vai mirrando a minha carne.

25 Tornei-me para eles objeto de opróbrio; quando me veem, meneiam a cabeça.

26 Socorre, Senhor, Deus meu! Salva-me segundo a tua misericórdia.

27 Para que saibam vir isso das tuas mãos; que tu, Senhor , o fizeste.

28 Amaldiçoem eles, mas tu, abençoa; sejam confundidos os que contra mim se levantam; alegre-se, porém, o teu servo.

29 Cubram-se de ignomínia os meus adversários, e a sua própria confusão os envolva como uma túnica.

30 Muitas graças darei ao Senhor com os meus lábios; louvá-lo-ei no meio da multidão;

31 porque ele se põe à direita do pobre, para o livrar dos que lhe julgam a alma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Salmos 19.1

Estudo Salmos 19 – A excelência da criação e da palavra de Deus

No capítulo 19 de Salmos, o salmista busca exemplificar como o poder, a grandeza e a graça de Deus estão representados nos céus, nas escrituras e em nós. Inicialmente, os céus, que simbolizam o mundo físico em que vivemos, representam a glória de Deus (19.1 a 19.6). E para nos

Salmos 77.2

Estudo Salmos 77 – A Misericórdia de Deus

O Salmo 77 é um salmo de lamentação em que o salmista expressa sua angústia e busca consolo em Deus. Ele começa questionando se Deus o rejeitou para sempre e se não voltará a ser misericordioso com ele. O salmista então lembra-se das obras de Deus no passado, como a

Temas

Receba inspiração no seu Email

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial