Estudo Esclesiastes 1 – A Vaidade da Vida Humana

Eclesiastes 1.9

O livro de Eclesiastes, escrito pelo Pregador, filho de Davi e rei de Jerusalém, é uma profunda meditação sobre a natureza efêmera e fútil da vida humana.

Começa com uma declaração impactante: “Vaidade de vaidades, diz o Pregador; vaidade de vaidades, tudo é vaidade.” Essas palavras ressoam ao longo do livro, destacando a sensação de futilidade que permeia a existência humana.

O Pregador questiona o valor do trabalho árduo e das realizações humanas. Ele nos lembra que, apesar de todo o esforço que dedicamos às nossas tarefas diárias, muitas vezes nos sentimos vazios e insatisfeitos. A eterna repetição dos dias, com o sol nascendo e se pondo, o vento seguindo seus ciclos e os rios fluindo incessantemente para o mar, nos faz refletir sobre a constante mesmice da vida.

Também observa que, ao longo das gerações, a terra permanece inalterada, enquanto as vidas humanas vêm e vão. Ele nos leva a questionar a relevância de nossas ações e realizações em um mundo que parece indiferente a nós. A sensação de futilidade se aprofunda quando ele afirma que nada é realmente novo; tudo o que vemos e experimentamos já existiu nos séculos passados.

Após isso, compartilha sua própria experiência como rei de Israel em Jerusalém. Ele dedicou tempo para buscar sabedoria e conhecimento, mas mesmo essa busca incansável o deixou desencantado. Ele reconhece que, na busca pela sabedoria, há também enfado, e que a busca pelo conhecimento pode trazer tristeza.

Ao longo de suas reflexões, o Pregador nos lembra constantemente da inevitabilidade da futilidade e da transitoriedade da vida humana.

Suas palavras nos convidam a contemplar questões profundas sobre o propósito da existência e a busca por significado em um mundo que, muitas vezes, parece fugaz e ilusório.

———

Eclesiastes 1

Tudo é vaidade

Palavra do Pregador, filho de Davi, rei de Jerusalém:

Vaidade de vaidades, diz o Pregador; vaidade de vaidades, tudo é vaidade.

Que proveito tem o homem de todo o seu trabalho, com que se afadiga debaixo do sol?

A eterna mesmice

Geração vai e geração vem; mas a terra permanece para sempre.

Levanta-se o sol, e põe-se o sol, e volta ao seu lugar, onde nasce de novo.

O vento vai para o sul e faz o seu giro para o norte; volve-se, e revolve-se, na sua carreira, e retorna aos seus circuitos.

Todos os rios correm para o mar, e o mar não se enche; ao lugar para onde correm os rios, para lá tornam eles a correr.

Todas as coisas são canseiras tais, que ninguém as pode exprimir; os olhos não se fartam de ver, nem se enchem os ouvidos de ouvir.

O que foi é o que há de ser; e o que se fez, isso se tornará a fazer; nada há, pois, novo debaixo do sol.

10 Há alguma coisa de que se possa dizer: Vê, isto é novo? Não! Já foi nos séculos que foram antes de nós.

11 Já não há lembrança das coisas que precederam; e das coisas posteriores também não haverá memória entre os que hão de vir depois delas.

A experiência do Pregador

12 Eu, o Pregador, venho sendo rei de Israel, em Jerusalém.

13 Apliquei o coração a esquadrinhar e a informar-me com sabedoria de tudo quanto sucede debaixo do céu; este enfadonho trabalho impôs Deus aos filhos dos homens, para nele os afligir.

14 Atentei para todas as obras que se fazem debaixo do sol, e eis que tudo era vaidade e correr atrás do vento.

15 Aquilo que é torto não se pode endireitar; e o que falta não se pode calcular.

16 Disse comigo: eis que me engrandeci e sobrepujei em sabedoria a todos os que antes de mim existiram em Jerusalém; com efeito, o meu coração tem tido larga experiência da sabedoria e do conhecimento.

17 Apliquei o coração a conhecer a sabedoria e a saber o que é loucura e o que é estultícia; e vim a saber que também isto é correr atrás do vento.

18 Porque na muita sabedoria há muito enfado; e quem aumenta ciência aumenta tristeza.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Salmos 28.7

Estudo Salmos 28 – Súplica e ações de graças

Em Salmos 28, há uma busca por Deus, para que Ele ouça suas orações. E o salmista finaliza com palavras de gratidão, louvando a Deus por o ter socorrido quando clamou. Davi faz uma oração ao Senhor para que Ele não deixe de escutar suas súplicas, que o silêncio não

Salmos 144.1

Estudo Salmos 144 – Ações de Graça pela Proteção de Deus

O Salmo 144 é atribuído a Davi e é uma expressão de louvor e gratidão a Deus por Sua proteção, provisão e vitória. No salmo, Davi reconhece que é Deus quem o treina para a batalha e capacita suas mãos para a guerra. Ele descreve Deus como sua rocha, seu

Salmos 101.1

Estudo Salmos 101 – Compromisso com a justiça

O Salmo 101 é um salmo de Davi, no qual ele expressa seu compromisso em seguir a justiça e a retidão em sua vida pessoal e em seu governo. Ele começa declarando que cantará sobre a misericórdia e a justiça, e afirma que seguirá um caminho íntegro em sua casa

Mateus 3.6

Para que Serve a Confissão de Fé?

A confissão de fé desempenha um papel fundamental na vida espiritual de um cristão. Ela é um ato de expressão de crença, arrependimento e compromisso com Deus. Neste artigo, exploraremos o significado e a importância da confissão de fé, abordando diferentes aspectos desse tema vital. 1. Ensino de João Batista

Temas

  » Alegria

  » Amizade

  » Amor

  » Fé e Motivação

  » Felicitações

  » Liderança

  » Pais e Filhos

  » Paz

  » Provérbios

  » Reflexão

  » Salmos

Receba inspiração no seu Email

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial