Estudo Salmos 106 – Graças ao Senhor

Salmos 106.1

O Salmo 106 é um cântico que narra a história da nação de Israel, desde a sua libertação do Egito até a sua chegada à terra prometida. O salmista começa agradecendo a Deus por sua bondade e misericórdia, e pela fidelidade que Ele demonstrou ao seu povo ao longo dos séculos. No entanto, em seguida, o salmista reconhece que muitas vezes a nação de Israel se afastou de Deus e pecou contra Ele.

O salmista descreve vários momentos em que o povo de Israel se rebelou contra Deus, desde a sua murmuração no deserto até a sua adoração de ídolos. No entanto, apesar de todas as vezes em que Israel se afastou de Deus, Ele continuou a mostrar-lhes misericórdia e perdão. O salmista lembra-nos que Deus é sempre fiel, mesmo quando nós não somos.

O salmista também faz um apelo ao povo de Israel para que se lembre das maravilhas que Deus realizou em seu favor, e para que eles continuem a confiar em sua fidelidade. Ele encoraja-os a louvar a Deus e a dar graças por tudo o que Ele tem feito por eles.

O Salmo 106 é um lembrete poderoso da bondade e misericórdia de Deus para conosco, mesmo quando nós falhamos em nossa fidelidade a Ele. Ele nos lembra que Deus sempre perdoa nossos pecados e nos mostra a sua graça, e que devemos sempre confiar em sua fidelidade, independentemente das circunstâncias em que nos encontramos.

No final, o salmista conclui sua oração com um pedido a Deus para que Ele salve o seu povo e os reúna novamente em sua terra prometida. É um pedido que se estende até os dias atuais, lembrando-nos que a nossa esperança está sempre em Deus e em sua fidelidade para conosco.

———

Salmos 106

1 Aleluia! Rendei graças ao Senhor , porque ele é bom; porque a sua misericórdia dura para sempre.

2 Quem saberá contar os poderosos feitos do Senhor ou anunciar os seus louvores?

3 Bem-aventurados os que guardam a retidão e o que pratica a justiça em todo tempo.

4 Lembra-te de mim, Senhor , segundo a tua bondade para com o teu povo; visita-me com a tua salvação,

5 para que eu veja a prosperidade dos teus escolhidos, e me alegre com a alegria do teu povo, e me regozije com a tua herança.

6 Pecamos, como nossos pais; cometemos iniquidade, procedemos mal.

7 Nossos pais, no Egito, não atentaram às tuas maravilhas; não se lembraram da multidão das tuas misericórdias e foram rebeldes junto ao mar, o mar Vermelho.

8 Mas ele os salvou por amor do seu nome, para lhes fazer notório o seu poder.

9 Repreendeu o mar Vermelho, e ele secou; e fê-los passar pelos abismos, como por um deserto.

10 Salvou-os das mãos de quem os odiava e os remiu do poder do inimigo.

11 As águas cobriram os seus opressores; nem um deles escapou.

12 Então, creram nas suas palavras e lhe cantaram louvor.

13 Cedo, porém, se esqueceram das suas obras e não lhe aguardaram os desígnios;

14 entregaram-se à cobiça, no deserto; e tentaram a Deus na solidão.

15 Concedeu-lhes o que pediram, mas fez definhar-lhes a alma.

16 Tiveram inveja de Moisés, no acampamento, e de Arão, o santo do Senhor .

17 Abriu-se a terra, e tragou a Datã, e cobriu o grupo de Abirão.

18 Ateou-se um fogo contra o seu grupo; a chama abrasou os ímpios.

19 Em Horebe, fizeram um bezerro e adoraram o ídolo fundido.

20 E, assim, trocaram a glória de Deus pelo simulacro de um novilho que come erva.

21 Esqueceram-se de Deus, seu Salvador, que, no Egito, fizera coisas portentosas,

22 maravilhas na terra de Cam, tremendos feitos no mar Vermelho.

23 Tê-los-ia exterminado, como dissera, se Moisés, seu escolhido, não se houvesse interposto, impedindo que sua cólera os destruísse.

24 Também desprezaram a terra aprazível e não deram crédito à sua palavra;

25 antes, murmuraram em suas tendas e não acudiram à voz do Senhor .

26 Então, lhes jurou, de mão erguida, que os havia de arrasar no deserto;

27 e também derribaria entre as nações a sua descendência e os dispersaria por outras terras.

28 Também se juntaram a Baal-Peor e comeram os sacrifícios dos ídolos mortos.

29 Assim, com tais ações, o provocaram à ira; e grassou peste entre eles.

30 Então, se levantou Fineias e executou o juízo; e cessou a peste.

31 Isso lhe foi imputado por justiça, de geração em geração, para sempre.

32 Depois, o indignaram nas águas de Meribá, e, por causa deles, sucedeu mal a Moisés,

33 pois foram rebeldes ao Espírito de Deus, e Moisés falou irrefletidamente.

34 Não exterminaram os povos, como o Senhor lhes ordenara.

35 Antes, se mesclaram com as nações e lhes aprenderam as obras;

36 deram culto a seus ídolos, os quais se lhes converteram em laço;

37 pois imolaram seus filhos e suas filhas aos demônios

38 e derramaram sangue inocente, o sangue de seus filhos e filhas, que sacrificaram aos ídolos de Canaã; e a terra foi contaminada com sangue.

39 Assim se contaminaram com as suas obras e se prostituíram nos seus feitos.

40 Acendeu-se, por isso, a ira do Senhor contra o seu povo, e ele abominou a sua própria herança

41 e os entregou ao poder das nações; sobre eles dominaram os que os odiavam.

42 Também os oprimiram os seus inimigos, sob cujo poder foram subjugados.

43 Muitas vezes os libertou, mas eles o provocaram com os seus conselhos e, por sua iniquidade, foram abatidos.

44 Olhou-os, contudo, quando estavam angustiados e lhes ouviu o clamor;

45 lembrou-se, a favor deles, de sua aliança e se compadeceu, segundo a multidão de suas misericórdias.

46 Fez também que lograssem compaixão de todos os que os levaram cativos.

47 Salva-nos, Senhor , nosso Deus, e congrega-nos de entre as nações, para que demos graças ao teu santo nome e nos gloriemos no teu louvor.

48 Bendito seja o Senhor , Deus de Israel, de eternidade a eternidade; e todo o povo diga: Amém! Aleluia!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Mateus 18.12

Estudo Mateus 18 – A Parábola da Ovelha Perdida

Neste capítulo de Mateus 18, Jesus aborda diversos temas importantes. Ele começa respondendo à pergunta dos discípulos sobre quem é o maior no reino dos céus, enfatizando a importância da humildade e da conversão, comparando os que se tornam como crianças como os maiores no reino dos céus. Também destaca

Salmos 27.1

Estudo Salmos 27 – Desejo pela presença de Deus

Neste capítulo, o salmista revela sua fé inabalável em Deus. A certeza de que o Senhor é a sua luz e salvação o fazem enfrentar a vida de frente, sem temer mal algum. Precisamos ter o Senhor como nossa luz, salvação e fortaleza. Pois é isso que Ele de fato

Salmos 142.1

Estudo Salmos 142 – Oração em Tempos Difíceis

O Salmo 142 é uma oração atribuída a Davi quando ele se encontrava em uma situação de angústia e desamparo. O salmista clama a Deus como seu refúgio e sua porção na terra dos viventes. Ele expressa sua tristeza e solidão, descrevendo sua condição como estando em uma prisão. Davi

Salmos 66.20

Estudo Salmos 66 – Ação de graças

O Salmo 66 é um salmo de ação de graças, no qual o salmista expressa sua gratidão a Deus por suas bênçãos e maravilhas. Ele começa chamando todos os habitantes da terra a se juntarem a ele em louvar a Deus e cantar seus louvores. O salmista então descreve a

Temas

  » Alegria

  » Amizade

  » Amor

  » Fé e Motivação

  » Felicitações

  » Liderança

  » Pais e Filhos

  » Paz

  » Provérbios

  » Reflexão

  » Salmos

Receba inspiração no seu Email

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial