Estudo Salmos 18 – Vitória e domínio

Em Salmos 18, Davi buscou declarar todo o seu amor a Deus. A sua motivação era agradecer por todas as vitórias que lhe foram dadas perante os seus inimigos e perante o Rei Saul.

No início, vemos palavras de fé e amor, com o Senhor sendo enaltecido e louvado em todo tempo (18.1 a 18.3).

Em seguida, são narradas situações em que Deus livrou Davi e seus companheiros das mãos de inimigos bem mais poderosos. Aqui é demonstrada a misericórdia de Deus para com os humildes. Para estes, são dados lugares espaçosos, e não imprensados (18.4 a 18.19).

Todas as atitudes que tomamos perante Deus têm consequências na forma como Ele intervém nas nossas vidas. Não porque Deus muda, mas porque nós mudamos constantemente (18.20 a 18.31).

Cantar e louvar a Deus por sua boa obra em nossas vidas nunca é demais. Davi relata como Deus o fortaleceu para os combates e como seus inimigos foram derrotados um a um (18.32 a 18.45).

Concluindo o capítulo, Davi confessa Deus como seu Senhor e Salvador. Depois de tanta angústia e sofrimento, palavras de adoração saem de sua boca (18.46 a 18.50).

1 SENHOR, eu o amo.
O Senhor é a minha força!

2 O SENHOR é a minha rocha, a minha fortaleza e o meu libertador.
O meu Deus é o meu refúgio, a minha proteção;
o meu escudo, a minha poderosa salvação
e o meu esconderijo mais alto.

3 O SENHOR é digno de louvor!
Pedi a sua ajuda, e ele me livrou dos meus inimigos.

4 Cordas mortais me cercaram.
Torrentes mortais me levavam embora.

5 O lugar dos mortos me envolveu nas suas cordas,
estendeu diante de mim as suas armadilhas fatais.

6 Na minha angústia clamei ao SENHOR,
e pedi ajuda ao meu Deus.
Do seu templo, ele ouviu os meus lamentos,
e ouviu os meus gritos pedindo ajuda.

7 Então a terra estremeceu fortemente;
as bases das montanhas foram abaladas.
A terra estremeceu porque Deus estava furioso.

8 Fumaça saía das suas narinas;
chamas e brasas saíam da sua boca.

9 Deus abriu o céu
e desceu sobre uma nuvem negra.

10 Montado num querubim, ele voou,
deslizou sobre as asas do vento.

11 Ele estava escondido no meio de nuvens espessas e escuras,
que o cobriam completamente.

12 Então a glória de Deus brilhou nas nuvens negras
e lançou sobre a terra granizo e fortes relâmpagos.

13 A voz do SENHOR trovejou do céu,
o Altíssimo se fez ouvir.

14 Deus lançou as suas flechas e dispersou o inimigo.
Ele lançou muitos relâmpagos e todos fugiram espantados.

15 O SENHOR enviou a sua repreensão
com o sopro das suas narinas,
um vento forte que deixou o fundo do mar à vista.
Os fundamentos da terra ficaram descobertos.

16 Ele estendeu a sua mão e me segurou;
ele me tirou das águas profundas.

17 De poderosos inimigos ele me salvou,
dos que me odiavam pois tinham mais força.

18 Quando eu estava em dificuldades e os meus inimigos me atacavam,
o SENHOR me deu o seu apoio e proteção.

19 Ele me livrou porque me ama;
me levou para um lugar seguro.

20 O SENHOR me recompensou justamente,
porque me comportei com justiça.
Ele me recompensou
porque não fiz nada errado.

21 Tenho o cuidado de viver como o SENHOR quer que eu viva.
Por isso, eu não fiz nada que pudesse me separar de Deus.

22 Tenho sempre em mente os seus ensinamentos
e nunca me desvio das suas leis.

23 Fui sempre honesto com ele
e tenho me afastado do mal.

24 Por isso, o SENHOR me recompensará conforme a minha justiça.
Ele fará isso desde que eu não pratique o mal.

25 Deus é fiel com os que lhe são fiéis;
sincero com os que lhe são sinceros.

26 O Senhor é bom e puro com aquele que é bom e puro;
mas o Senhor mostra ser mais esperto do que as pessoas ardilosas.

27 O Senhor salva os humildes
e humilha os arrogantes.

28 O SENHOR ilumina o meu caminho;
o Senhor, meu Deus, é a minha luz na escuridão.

29 Meu Deus, com a sua ajuda poderei correr com os soldados.
Com a sua ajuda saltarei as muralhas dos meus inimigos.

30 O caminho de Deus é perfeito;
as promessas do SENHOR são dignas de confiança.
Ele protege os que procuram a sua ajuda e proteção.

31 O SENHOR é o único Deus;
o nosso Deus é a única rocha.

32 Ele é quem me fortalece
e aperfeiçoa o meu caminho.

33 Ele me ajuda a correr tão depressa como uma gazela
e me mantém firme mesmo nos lugares mais altos.

34 Ele me prepara para a batalha,
e dá força aos meus braços para que possam lançar dardos poderosos.

35 Meu Deus, o Senhor me deu o escudo da sua salvação,
tem sido o meu apoio,
e tem me ajudado a prosperar.

36 O Senhor dá forças às minhas pernas,
para que eu possa correr tão depressa,

37 para poder perseguir e destruir meus inimigos;
não descansarei até derrotá-los.

38 Eu os derrotarei de tal modo que eles nunca mais possam se levantar;
todos eles estarão debaixo dos meus pés.

39 Meu Deus, o Senhor me dá forças na batalha;
faz com que aqueles que me perseguem tenham que se inclinar diante de mim.

40 O Senhor me ajuda a derrotar os meus inimigos
e a derrubar os que me odeiam.

41 Eles pediram ajuda, mas ninguém veio.
Também clamaram ao SENHOR, mas não houve resposta.

42 Dispersei os meus inimigos como o vento dispersa o pó,
os pisei como se fossem a lama das ruas.

43 O Senhor me salvou dos conflitos dos povos,
e me fez governante de nações.
Povos que eu não conhecia antes,
agora me servem.

44 Assim que me ouvem, me obedecem,
os que não me conheciam antes se submetem a mim agora.

45 Eles terão temor de mim,
e sairão dos seus esconderijos tremendo de medo.

46 O SENHOR vive!
Bendita seja a minha rocha.
Louvado seja Deus, meu Salvador.

47 Deus castiga os meus inimigos
e os coloca debaixo do meu poder.

48 Ele me salva do meu inimigo;
me ajuda a vencer os que me atacam,
me salva do inimigo mais cruel.

49 Por isso louvo ao SENHOR entre as nações,
e canto louvores ao seu nome.

50 Deus dá grandes vitórias a Davi, o rei que ele escolheu.
A ele, e aos seus descendentes, Deus mostra sempre a sua bondade.”

Salmos 18 – Rei Davi


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts relacionados

Salmos 17.6

Estudo Salmos 17 – Súplica pela proteção divina

O capítulo 17 de Salmos nos traz uma mensagem de como devemos buscar profundamente a comunhão e proteção de Deus nas nossas vidas. Inicialmente, vemos uma súplica para que o Senhor ouça a oração do salmista (17.1). O momento de aflição era muito grande, e, inclusive, ele afirma não ter

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial