Estudo Mateus 21 – A Casa de Oração

Mateus 21.13

No capítulo 21 do livro de Mateus, encontramos várias narrativas importantes na vida de Jesus durante sua estada em Jerusalém.

Inicia-se com a entrada triunfal de Jesus na cidade, onde Ele envia dois discípulos para buscar uma jumenta e um jumentinho, cumprindo uma profecia messiânica ao entrar humildemente montado em um jumento. A multidão O saúda com ramos de árvores e aclamações de “Hosana ao Filho de Davi”.

Logo após, Jesus entra no templo e expulsa os vendedores e cambistas, declarando que a casa de Deus deve ser um lugar de oração. Ele também realiza curas no templo, o que irrita os principais sacerdotes e escribas, que questionam Sua autoridade.

Uma parábola dos dois filhos é apresentada por Jesus, ilustrando a importância da obediência em relação ao arrependimento. Ele também compartilha a parábola dos lavradores maus, na qual descreve um dono de vinha que envia servos e seu próprio filho para receber os frutos da vinha, mas os lavradores maltratam e matam todos eles.

Jesus conclui que o reino de Deus será dado a outros se os líderes religiosos não produzirem frutos adequados.

Por fim, os líderes religiosos reconhecem que as parábolas se referem a eles, mas temem prender Jesus devido ao apoio popular que Ele desfruta.

O capítulo 21 de Mateus é repleto de ensinamentos e eventos significativos que desempenham um papel crucial na jornada de Jesus e em sua relação com as autoridades religiosas da época.

———

Mateus 21

A entrada triunfal de Jesus em Jerusalém

Quando se aproximaram de Jerusalém e chegaram a Betfagé, ao monte das Oliveiras, enviou Jesus dois discípulos, dizendo-lhes:

Ide à aldeia que aí está diante de vós e logo achareis presa uma jumenta e, com ela, um jumentinho. Desprendei-a e trazei-mos.

E, se alguém vos disser alguma coisa, respondei-lhe que o Senhor precisa deles. E logo os enviará.

Ora, isto aconteceu para se cumprir o que foi dito por intermédio do profeta:

Dizei à filha de Sião: Eis aí te vem o teu Rei, humilde, montado em jumento, num jumentinho, cria de animal de carga.

Indo os discípulos e tendo feito como Jesus lhes ordenara,

trouxeram a jumenta e o jumentinho. Então, puseram em cima deles as suas vestes, e sobre elas Jesus montou.

E a maior parte da multidão estendeu as suas vestes pelo caminho, e outros cortavam ramos de árvores, espalhando-os pela estrada.

E as multidões, tanto as que o precediam como as que o seguiam, clamavam: Hosana ao Filho de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosana nas maiores alturas!

10 E, entrando ele em Jerusalém, toda a cidade se alvoroçou, e perguntavam: Quem é este?

11 E as multidões clamavam: Este é o profeta Jesus, de Nazaré da Galileia!

A purificação do templo

12 Tendo Jesus entrado no templo, expulsou todos os que ali vendiam e compravam; também derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas.

13 E disse-lhes: Está escrito:

A minha casa será chamada casa de oração;

vós, porém, a transformais em covil de salteadores.

Jesus efetua curas no templo

14 Vieram a ele, no templo, cegos e coxos, e ele os curou.

15 Mas, vendo os principais sacerdotes e os escribas as maravilhas que Jesus fazia e os meninos clamando: Hosana ao Filho de Davi!, indignaram-se e perguntaram-lhe:

16 Ouves o que estes estão dizendo? Respondeu-lhes Jesus: Sim; nunca lestes:

Da boca de pequeninos e crianças de peito tiraste perfeito louvor?

17 E, deixando-os, saiu da cidade para Betânia, onde pernoitou.

A figueira sem fruto

18 Cedo de manhã, ao voltar para a cidade, teve fome;

19 e, vendo uma figueira à beira do caminho, aproximou-se dela; e, não tendo achado senão folhas, disse-lhe: Nunca mais nasça fruto de ti! E a figueira secou imediatamente.

20 Vendo isto os discípulos, admiraram-se e exclamaram: Como secou depressa a figueira!

21 Jesus, porém, lhes respondeu: Em verdade vos digo que, se tiverdes fé e não duvidardes, não somente fareis o que foi feito à figueira, mas até mesmo, se a este monte disserdes: Ergue-te e lança-te no mar, tal sucederá;

22 e tudo quanto pedirdes em oração, crendo, recebereis.

A autoridade de Jesus e o batismo de João

23 Tendo Jesus chegado ao templo, estando já ensinando, acercaram-se dele os principais sacerdotes e os anciãos do povo, perguntando: Com que autoridade fazes estas coisas? E quem te deu essa autoridade?

24 E Jesus lhes respondeu: Eu também vos farei uma pergunta; se me responderdes, também eu vos direi com que autoridade faço estas coisas.

25 Donde era o batismo de João, do céu ou dos homens? E discorriam entre si: Se dissermos: do céu, ele nos dirá: Então, por que não acreditastes nele?

26 E, se dissermos: dos homens, é para temer o povo, porque todos consideram João como profeta.

27 Então, responderam a Jesus: Não sabemos. E ele, por sua vez: Nem eu vos digo com que autoridade faço estas coisas.

A parábola dos dois filhos

28 E que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Chegando-se ao primeiro, disse: Filho, vai hoje trabalhar na vinha.

29 Ele respondeu: Sim, senhor; porém não foi.

30 Dirigindo-se ao segundo, disse-lhe a mesma coisa. Mas este respondeu: Não quero; depois, arrependido, foi.

31 Qual dos dois fez a vontade do pai? Disseram: O segundo. Declarou-lhes Jesus: Em verdade vos digo que publicanos e meretrizes vos precedem no reino de Deus.

32 Porque João veio a vós outros no caminho da justiça, e não acreditastes nele; ao passo que publicanos e meretrizes creram. Vós, porém, mesmo vendo isto, não vos arrependestes, afinal, para acreditardes nele.

A parábola dos lavradores maus

33 Atentai noutra parábola. Havia um homem, dono de casa, que plantou uma vinha. Cercou-a de uma sebe, construiu nela um lagar, edificou-lhe uma torre e arrendou-a a uns lavradores. Depois, se ausentou do país.

34 Ao tempo da colheita, enviou os seus servos aos lavradores, para receber os frutos que lhe tocavam.

35 E os lavradores, agarrando os servos, espancaram a um, mataram a outro e a outro apedrejaram.

36 Enviou ainda outros servos em maior número; e trataram-nos da mesma sorte.

37 E, por último, enviou-lhes o seu próprio filho, dizendo: A meu filho respeitarão.

38 Mas os lavradores, vendo o filho, disseram entre si: Este é o herdeiro; ora, vamos, matemo-lo e apoderemo-nos da sua herança.

39 E, agarrando-o, lançaram-no fora da vinha e o mataram.

40 Quando, pois, vier o senhor da vinha, que fará àqueles lavradores?

41 Responderam-lhe: Fará perecer horrivelmente a estes malvados e arrendará a vinha a outros lavradores que lhe remetam os frutos nos seus devidos tempos.

42 Perguntou-lhes Jesus: Nunca lestes nas Escrituras:

A pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular; isto procede do Senhor e é maravilhoso aos nossos olhos?

43 Portanto, vos digo que o reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que lhe produza os respectivos frutos.

44 Todo o que cair sobre esta pedra ficará em pedaços; e aquele sobre quem ela cair ficará reduzido a pó.

45 Os principais sacerdotes e os fariseus, ouvindo estas parábolas, entenderam que era a respeito deles que Jesus falava;

46 e, conquanto buscassem prendê-lo, temeram as multidões, porque estas o consideravam como profeta.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados

Salmos 97.11

Estudo Salmos 97 – A Soberania de Deus

O Salmo 97 é um dos muitos salmos que se concentram na soberania de Deus sobre a Terra. O salmo começa declarando que Deus é Rei, e que a Terra se regozija com isso. A seguir, descreve como as nuvens e a escuridão envolvem Deus, simbolizando Sua majestade e poder.

Salmos 83.18

Estudo Salmos 83 – Clamor por justiça e proteção

O Salmo 83 é uma oração que clama por justiça e proteção para o povo de Deus contra seus inimigos. O salmista suplica a Deus para que Ele não fique em silêncio ou inativo diante das conspirações e planos astutos dos inimigos que se levantam contra seu povo. Os inimigos

Salmos 15.1-2

Estudo Salmos 15 – O cidadão dos céus

Neste capítulo de Salmos, duas perguntas iniciais norteiam a curiosidade de Davi sobre quem é o cidadão dos céus. E o restante do texto responde com uma série de caraterísticas os merecedores da morada celestial. Em 15.1, Davi pergunta ao Senhor quem habita no seu tabernáculo e nos céus. As

Temas

Receba inspiração no seu Email

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial